Perguntas e Respostas

06-05-2010

Nunca ouvi falar do Bugio enquanto estado independente. Será porque não existe?

Não. De todo. Já ouviu falar dos seguintes países: Tonga, Tuvalu, Ilhas Salomão, Lesoto, Omã, Butão, São Cristóvão e Nevis? São todos estados perfeitamente legítimos. O Bugio também.

Já vi várias vezes a ilha do Bugio, quer através de imagens, quer pessoalmente e parece-me ser apenas um banco de areia com um forte construído por cima. Como é possível haver espaço para mais alguma coisa?

São questões geográficas muito complicadas que não vale a pena explicar aqui.

O Bugio é membro das Nações Unidas?

Já foi. Em 1978, houve um incidente relacionado com uma acusação errónea e ultrajante envolvendo quotas por pagar e o governo da altura optou por abandonar a ONU.

De que outras organizações internacionais é membro o Bugio?

Cruz Vermelha Internacional, Comité Olímpico Internacional, União Columbófila Mundial e Federação Internacional de Automobilismo.

Estou interessado em tornar-me cidadão do Bugio. Como devo proceder?

A nacionalidade bugiesa é concedida a todos os que nasçam em território bugiês, a todos os filhos de pais bugieses nascidos no estrangeiro e aos cidadãos estrangeiros que residam no Bugio por período não inferior a oito anos. A título extraordinário, a nacionalidade bugiesa pode ser concedida em reconhecimento de serviços prestados ao Grão-Ducado. Quem não se encontrar nestas condições não poderá ser cidadão do Bugio. A não ser que esteja disposto a desembolsar uma grande quantia em dinheiro.

É necessário passaporte para visitar o Bugio?

Qualquer visitante estrangeiro que se desloque ao Bugio deve ser possuidor de título de identidade válido emitido pelo seu país de origem (apenas para cidadãos de estados-membros da União Europeia) ou passaporte. Os serviços alfandegários poderão facultar a entrada sem apresentação de documentos a visitantes do sexo feminino com seios volumosos, mas esta prática não se encontra regulamentada.

O Bugio pode ser considerado um paraíso fiscal?

De modo algum. Como acontece na maior parte dos estados modernos, todos os que vivem e trabalham no Bugio estão sujeitos ao pagamento de impostos. A diferença é que, ao contrário do que é habitual, os impostos bugieses não incidem sobre os rendimentos económicos mas sim sobre outro tipo de factores. Refira-se a título de exemplo o imposto sobre o número de vezes anuais que se usa a palavra “mainstream”, a taxa de consumo de oxigénio, o imposto de retenção de líquidos ou o IEEA (imposto extraordinário esporádico agravável). Todos os impostos no Bugio são pagáveis em géneros ou serviços. O não pagamento implica repreensão verbal severa.

Por Bugio

Ver também: